Associação do nível de escolaridade de pais e responsáveis com os hábitos alimentares e de higiene bucal de crianças

Patrícia Alves Drummond de Oliveira, Cristiane Baccin Bendo, Saul Martins Paiva, Mauro Henrique Nogueira Guimarães de Abreu, Sheyla Márcia Auad

Resumo


Objetivo: Investigar a associação entre hábitos alimentares e de higiene bucal de crianças de 2 a 14 anos e nível de escolaridade dos pais/responsáveis.
Métodos: Este estudo transversal foi realizado com uma amostra de conveniência de 214 pais/responsáveis por crianças, selecionadas em cinco escolas públicas de Belo Horizonte, sudeste do Brasil. Um formulário preenchido pelos pais/responsáveis forneceu informações sobre seu nível de escolaridade e sobre hábitos dietéticos e de higiene bucal das suas crianças. A amostra foi estratificada em dois grupos: pais/responsáveis de crianças de 2 a 6 anos (n=119; 55,6%) e de 7 a 14 anos (n=95; 44,4%). O estudo recebeu aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil. A análise dos dados foi realizada pelo teste Qui-quadrado de Pearson e Teste Exato de Fisher (p < 0,05).
Resultados: Maior nível educacional dos pais e responsáveis foi associado ao consumo de leite pelas crianças de 7 a 14 anos (OR=6,37; 95% IC: 2,27-17,88; p < 0,001) e inversamente relacionada ao consumo de balas na faixa etária de 2 a 6 anos (OR=0,26; 95% IC: 0,11-0,58, p < 0,001) e chicletes nos dois grupos (2 a 6 anos, p <0,001 e 7 a 14 anos p=0,014). A educação parental mais alta foi associada ao maior uso de pasta de dente infantil pelas crianças de 2 a 6 anos (OR=3,32; 95% IC: 1,52-7,24; p = 0,002), a uma frequência maior de escovação nas crianças de 2 a 6 anos (OR=4,26; 95% IC:1,50-12,08; p = 0,004) e ao uso de fio dental na faixa etária de 7 a 14 anos (OR=3,10; 95% IC:1,27-7,58; p = 0,011).
Conclusões: O maior nível de escolaridade dos pais/responsáveis foi associado a hábitos alimentares mais saudáveis e melhores práticas de higiene bucal de suas crianças.
Descritores: Criança. Dieta. Higiene bucal. Escolaridade. Pais.

Texto completo:

PDF

Referências


(1) World Health Organization. [homepage na Internet]. Social determinants of health. [acesso em 04 nov 2017]. Disponível em: < http://www.who.int/social_determinants/sdh_definition/en/>.

(2) Molina MCB, Lopéz PM, Faria CP, Cade NV, Zandonade E. Preditores socioeconômicos da qualidade da alimentação de crianças. Rev Saúde Pública. 2010;44:785-92.

(3) Barufaldi LA, Abreu GA, Oliveira JS, Santos DF, Fujimori E, Vasconcelos SML, et al. ERICA: prevalência de comportamentos alimentares saudáveis em adolescentes brasileiros. Rev Saúde Pública. 2016;50:6s.

(4) Moreira P, Santos S, Padrão P, Cordeiro T, Bessa M, Valente H, et al. Food patterns according to sociodemographics, physical activity, sleeping and obesity in portuguese dhildren. Int J Environ Res Public Health. 2010 Mar;7:1121-38.

(5) van Ansem WJC, Schrijvers CTM, Rodenburg G, van de Mheen D. Maternal educational level and children’s healthy eating behaviour: role of the home food environment (cross-sectional results from the INPACT study). Int J Behav Nutr Phys Act. 2014;11:113.

(6) Souza LMM, Nóbrega LM, Barbosa KGN, Carneiro FG, Bento PM , D´Avila S. Avaliação do consumo e custo de produtos de higiene bucal para população de um município no Nordeste brasileiro. Arq Odontol. 2014;50:86-91.

(7) Shaghaghian S, Zeraatkar M. Factors Affecting oral hygiene and tooth brushing in preschool children, Shiraz/Iran. J Dent Biomater. 2017;4:394-402.

(8) American Academy of Pediatric Dentistry. Policy on social determinants of children’s oral health and health disparities. Pediatr Dent. 2017;39:23-6.

(9) Instituto Brasileiro de Pesquisa e Estatística. [homepage na Internet] [acesso 03 nov 2017]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/belo-horizonte/panorama.

(10) Villa JKD, Silva AR, Santos TSS, Ribeiro AQ, Pessoa MC, Sant’Ana LFR. Padrões alimentares de crianças e determinantes socioeconômicos, comportamentais e maternos. Rev Paul Pediatr. 2015;33:302-9.

(11) Moura AF, Masquio DCL. A influência da escolaridade na percepção sobre alimentos considerados saudáveis. Rev Educ Popular. 2014;13:82-94.

(12) Costa MLG, Oliveira PAD, Auad SM. Publicidade de alimentos para o público infantil na televisão e diretrizes alimentares brasileiras: sintonia ou confronto? Arq Odontol. 2011; 47:181-7.

(13) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. [Internet]. Guia alimentar para a população brasileira. Série A: normas e manuais técnicos. Brasília: Ministério da Saúde Brasil. 2008. [acesso 28 nov 2017]. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2014/novembro/05/Guia-Alimentar-para-a-pop-brasiliera-Miolo-PDF-Internet.pdf.

(14) Savage JS, Fisher JO, Birch LL. Parental influence on eating behavior: conception to adolescence. J Law Med Ethics. 2007;35:22-34.

(15) Schüle SA, von Kries R, Fromme H, Bolte G. Neighbourhood socioeconomic context,individual socioeconomic position, and overweight in young children: a multilevel study in a large German city. BMC Obesity. 2016;3:25.

(16) Ardérius A, Veiga N, Godinho M, Ribeiro C. The influence of parent’s educational level in children’s oral health behavior. Public Health Res. 2015;5:28-31.

(17) Kauer B, Schütz J, Colussi PRG, Oppermann RV, Haas NA, Rösing CK. Self-reported use of dental floss over 13 years: relationship with family income, mother’s age and educational level. Oral Health Prev Dent. 2016;14:33-9.

(18) Cury JA, Oliveira MJL, Martins CC, Tenuta LMA, Paiva SM. Available fluoride in toothpastes used by Brazilian children. Braz Dent J. 2010;21:396-400.

(19) Castilho ARF, Mialhe FL, Barbosa TS, Puppin-Rontani RM. Influence of family environment on children’s oral health: a systematic review. J Pediatr. 2013;89:116-23.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.