Conhecimento de usuários da Estratégia Saúde da Família sobre o câncer de boca

Cosmo Helder Ferreira da Silva, Nayanne Barros Queiroz, Francisco Cezanildo Silva Benedito, Gabriela Silva Cruz, Ana Caroline Rocha de Melo Leite

Resumo


Objetivo: Identificar o conhecimento sobre o câncer de boca dos pacientes da Estratégia Saúde da Família do Município de Quixadá, Ceará, Brasil.

Métodos: Trata-se de um estudo transversal, observacional, descritivo e analítico, realizado com 90 usuários de Unidades Básicas de Saúde no município de Quixadá, Ceará, Brasil. Participaram da pesquisa usuários dos serviços da Estratégia Saúde da Família. Para a coleta de dados, foi aplicado um questionário estruturado. Os dados foram analisados no programa estatístico Epi Info versão 7, considerando um nível de significância de 5%. O presente estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa do Centro Universitário Católica de Quixadá com o protocolo de número 1.499.677.

Resultados: Quanto aos aspectos socioeconômicos, identificamos um maior número de participantes do sexo feminino (66,7%), idade entre 45 e 50 anos (31,1%), residem na zona urbana (60%), com ensino fundamental incompleto (41,1%) e renda familiar de um salário mínimo (47,8%). Quanto aos hábitos de saúde e conhecimento, 87,8% não são fumantes e 81,1% não fazem uso de álcool. Dentre os entrevistados 67,8 % não possuem nenhum tipo de conhecimento sobre câncer de boca; 75,6% nunca ouviram falar sobre o autoexame e 93,3% não sabem como realiza-lo. Observou-se associação estatisticamente significativa em ser do sexo masculino e o elevado consumo de álcool (p = 0,002) e entre ouvir falar do autoexame e residir em área de zona urbana (p = 0,001).

Conclusão: O conhecimento sobre o câncer de boca dos usuários da Estratégia Saúde da Família do município de Quixadá mostra-se insuficiente.

Descritores: Neoplasias bucais. Saúde bucal. Atenção primária à saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


(1) Martins RB, Giovani EM, Vilalba H. Lesões cancerizáveis da cavidade bucal. Rev Inst Ciênc Saúde. 2008; 26(4):467-76.

(2) Oliveira JMB, Pinto LO, Lima, NGM, Almeida GCM. Câncer de boca: avaliação do conhecimento de acadêmicos de odontologia e enfermagem quanto aos fatores de risco e procedimentos de diagnóstico. Rev Bras Cancerol. 2013; 59:211-8.

(3) International Agency for Research on Cancer. Globocan 2012: estimated cancer incidence, mortality and pevalence worlwide. Lyon: Iarc; 2012.

(4) Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional de Câncer (INCA) [Internet]. Estatísticas do câncer. Atlas on-line de mortalidade.; 2018 [acesso 2018 jul 12]. Disponível em: http://mortalidade.inca.gov.br/.

(5) Ministério da Saúde (BR) [Internet]. Estalactíticas vitais. Departamento de informática do Sistema Único de Saúde. Brasil: Datasus; 2018 [acesso 2018 jul 11]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0205&id=6937.

(6) Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional de Câncer (INCA) [Internet]. Estimativa 2018: incidência de câncer no Brasil; 2018 [acesso 2018 jul 09]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2018/.

(7) Teixeira AKM, Almeida MEL, Holanda ME, Sousa FB, Almeida PC. Carcinoma espinocelular da cavidade bucal: um estudo epidemiológico na Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza. Rev Bras Cancerol. 2009; 55(3):229-36.

(8) Carvalho SHG, Soares MSM, Figueiredo RLQ. Levantamento epidemiológico dos casos de câncer de boca em um hospital de referência em Campina Grande, Paraíba, Brasil. Pesqui Bras Odontopediatria Clin Integr. 2012; 12:47-51.

(9) Albrecht D, Regina MS, Zix J. Only a denture sore? Causes of a possible denture sore from a maxillary complete denture. Schweiz Monatsschr Zahnmed. 2010; 120(8):675-89.

(10) Medeiros FDCDD, Araújo-Silva D, Thiago F, Ferreira KA, Oliveira-Moura JM, Cavalcanti-Lima IP, et al. Uso de prótese dentária e sua relação com lesões bucais. Rev Salud Pública. 2015; 17(4):603-13.

(11) Melo LC, Silva MC, Bernardo JMP, Marques EB, Leite ICG. Perfil epidemiológico de casos incidentes de câncer de boca e faringe. Rev Gaúcha Odontol. 2010; 58(3):351-5.

(12) Dhanuthai K, Rojanawatsirivej S, Thosaporn W, Kintarak S, Subarnbhe­saj A, Darling M, et al. Oral cancer: A multicenter study. Med Oral Patol Oral Cir Bucal. 2018; 23(1): 23-9.

(13) Monteiro CA, Cavalcante TM, Moura EC, Claro RM, Szwarcwald CL. Population-based evidence of a strong decline in the prevalence of smokers in Brazil (1989–2003). Bull World Health Organ. 2007; 85(7):527-34.

(14) Herr GE, Kolankiewicz ACB, Berlezi EM, Gomes JS, Magnago TSBS, Rosanelli CP, et al. Avaliação de Conhecimentos acerca da Doença Oncológica e Práticas de Cuidado com a Saúde. Rev Bras Cancerol. 2013; 59(1):33-41.

(15) Ribeiro R, Martins MAT, Fernandes KPS, Bussadori SK, Miyagi SPH, Martins MD. Avaliação do nível de conhecimento de uma população envolvendo câncer oral. Robrac. 2008; 17(44):104-9.

(16) Santos LPS, Carvalho FS, Carvalho CAP, Santana DA. Características de casos de câncer bucal no estado da Bahia, 1999-2012: um estudo de base hospitalar. Rev Bras Cancerol. 2015; 61(1):7-14.

(17) Ribeiro ILA, Medeiros JJ, Rodrigues LV, Valença AMG, Lima Neto EA. Factors associated with lip and oral cavity câncer. Rev Bras Epidemiol. 2015; 18(3):618-29.

(18) Ganesh R, John J, Saravanan S. Socio demographic profile of oral câncer patients residing in Tamil Nadu – A hospital based study. Indian J Cancer. 2013; 50(1):9-13.

(19) Santos VCB, Assis AMA, Ferreira SMS, Dias EP. Câncer de boca: análise do tempo decorrido da detecção ao início do tratamento em centro de oncologia de Maceió. Rev Bras Odontol. 2012; 69(2):159-64.

(20) Santos LC, Cangussu MC, Batista OM, Santos JP. Oral cancer: population sample of the state of Alagoas at a reference hospital. Braz J Otorhinolaryngol. 2009; 75(4):524-9.

(21) Santos LCO, Batista OM, Cangussu MCT. Characterization of cancer diagnostic delay in the state of Alagoas. Braz J Otorhinolaryngol. 2010; 76(4):416-22.

(22) Perea LME, Peres MA, Boing AF, Antunes JLF. Tendência de mortalidade por câncer de boca e faringe no Brasil no período 2002-2013. Rev Saúde Pública. 2018; 52:10.

(23) Formosa J, Jenner R, Thi MDN, Stephens C, Wilson C, Ariyawardana A. Awareness and knowledge of oral cancer and potentially malignant oral disorders among dental patients in far north Queensland, Australia. Asian Pac J Cancer Pre. 2015; 16(10): 4429-34.

(24) Prado BN, Passarelli DHC. Uma nova visão sobre prevenção do câncer bucal no consultório odontológico. Rev Odontol Univ Cid São Paulo. 2009; 21(1):79-85.

(25) Garcia LP, Freitas LRS. Consumo abusivo de álcool no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015; 4(2):227-37.

(26) Grittner U, Kuntsche S, Graham K, Bloomfield K. Social inequalities and gender differences in the experience of alcohol-related problems. Alcohol Alcohol. 2012;47 (5):597-605.

(27) Varela-Centelles P, Estany-Gestal A, Bugarín-González R, Seoane-Romero JM. Oral cancer awareness in Spain: A pilot study. Oral Dis. 2018; 24:124-7.

(28) Le Campion, ACOV, Santos KCB, Carmo ES, Silva Júnior FF, Peixoto FB, Ribeiro CMB, et al. Caracterização do atraso no diagnóstico do câncer de boca e orofaringe em dois centros de referência. Cad. Saúde Coletiva. 2016; 24(2):178-84.

(29) Akbulut N, Oztas B, Kursun S, Evirgen S. Delayed diagnosis of oral squamous cell carcinoma: a case series. J Med Case Reports. 2011; 5:291.

(30) Andrade SN, Muniz LV, Soares JMA, Chaves ALF, Ribeiro RIMA. Câncer de boca: avaliação do conhecimento e conduta dos dentistas na atenção primária à saúde. Rev Bras Odontol. 2014; 71(1):42-7.

(31) Scott SE, Grunfeld EA, Mcgurk M. The idiosyncratic relationship between diagnostic delay and stage of oral squamous cell carcinoma. Oral Oncol. 2005; 41(4):396-403.

(32) Awan KH, Khang TW, Yee TK, Zain RB. Assessing oral cancer knowledge and awareness among Malaysian dental and medical students. J Cancer Res Ther. 2014; 10(4):903-7.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.