TERRITÓRIO FUNK E FEMINILIDADES: SUBJETIVIDADES CONSTRUÍDAS ENTRE RELAÇÕES DE PODER, A RUA E A VIOLÊNCIA

Iara Pires Viana

Resumo


O objetivo deste trabalho foi compreender o processo de construção social das feminilidades em um bairro popular favelizado, suas relações com a violência e o poder nos momentos de lazer em bailes funk e, ainda, delinear os principais aspectos da configuração e organização dos Bondes na região metropolitana de Belo Horizonte. Foi possível, também, discorrer sobre relações de poder, o estabelecimento de lideranças em diferentes níveis, regras, rearranjos para fruição do lazer, códigos de convivência e a relação entre esses e a territorialidade local.  Para compreender as complexas relações entre sujeito, subjetividade, sentidos e significados no Território Funk adotamos a abordagem histórico cultural de Vigotski e a teoria da subjetividade de Fernando Rey. Definimos a metodologia qualitativa como estratégia para atingir os objetivos e usamos a entrevista semiestruturada com as jovens meninas/mulheres funqueira e periguete. Nesse contexto, coube também a utilização de lentes feministas para o entendimento do ethos presente na rua, buscando entender a ressignificação dos códigos reelaborados por essas jovens nos bailes funk.

Palavras-chave


Funk; Menina; Mulher; Território; Subjetividades.

Texto completo:

PDF



Revista Brasileira de Estudos do Lazer | RBEL
Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-graduação em Estudos do Lazer | ANPEL

Endereço, telefone e e-mail de contato:
Endereço: UFMG - RBEL/CELAR/EEFFTO | Av. Antonio Carlos 6627 – campus UFMG, EEFFTO/DEF. Pampulha, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. CEP: 31.270-901
Telefone: 31 34092358
E-mail: rbel@eeffto.ufmg.br