Contribuições do Design para o Ensino de Ciências por Investigação

Gabriel da Silva Bruno, Paula Carolei

Resumo


Este artigo apresenta uma investigação teórico-metodológica descritiva e propositiva que explora o potencial do Design para o Ensino de Ciências por Investigação, tendo como objetivo a ampliação dos seus formatos de prática e a superação de algumas dificuldades em situações nas quais a lógica projetual baseada em Design pode ser uma alternativa para se trabalhar com as situações-problemas, desenvolvendo constructos físicos ou teóricos que, para tal, mobilizam conhecimentos específicos e interdisciplinares. Partimos da leitura de algumas das abordagens e metodologias associadas ao processo investigativo e criativo. Explicitamos reflexões e possibilidades de encontro entre o Ensino de Ciências por Investigação e o Design, partindo da premissa de que tanto a Ciência como o Design são processos construtivos que trabalham com modelos. Essa aproximação, que denominamos como Ensino de Ciências por Projeto Investigativo (ENCIPI) valoriza os percursos trilhados e desenvolve pontos que potencializam a prática investigativa, como o aprender a lidar com o erro e com a reconfiguração de modelos. Temos como resultado a apresentação de seis etapas para o desenvolvimento de projetos investigativos articulados ao Design e influenciados por outras metodologias e abordagens. São elas: estabelecer e programar; expandir e aproximar; propor; criar; validar e aprimorar; e comunicar, implementar e aprender, e orientamos os principais movimentos de cada etapa, para professores e alunos, assim como os recursos envolvidos para as mesmas.


Palavras-chave


ensino de ciências; ensino por investigação; projeto; design; projeto investigativo

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, A., & Sasseron, L. H. (2013). As ideias balizadoras necessárias ao professor ao planejar e avaliar a aplicação de uma sequência de ensino investigativo. In IX Congreso Internacional sobre Investigación en Didáctica de las ciencias. Girona, Espanha. Recuperado de https://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/viewFile/307073/397053

Bacich, L., & Moran, J. (2018). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem téorico-prática. Porto Alegre: Penso. Recuperado de https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788584291168/

Bertoldi, A. D., Possel, M. C., Daron, R., Costa, R. C. T., & Borba, S. de. (2011). Identificando atividades de design na educação básica por meio do método Card Analysing. InfoDesign, 8(3), 20–25. Recuperado de https://www.infodesign.org.br/infodesign/article/view/153

Borges, M. C., Chachá, Silvana, G. F., Quintana, S. M., Freitas, L. C. C., & Rodrigues, M. L. V. (2014). Aprendizado baseado em problemas. Revista da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto e do Hospital das Clínicas da FMRP, 47(3), 301–307. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/86619

Bruno, G. S., & Carolei, P. (2018). Analise semântica de resumos científicos como recurso para evidenciar pontos críticos. In Educação em Ciências em múltiplos contextos - Atas do XVII Encontro Nacional de Educação em Ciências, XVII ENEC, I Seminário Internacional de Educação em Ciências, I SIEC. Viana do Castelo: Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Escola Superior de Educação. Recuperado de https://www.gsbruno.com.br/enec2017

Buck Institute for Education. (2008). Aprendizagem baseada em projetos: Guia para professores de ensino fundamental e médio. 2. ed. Porto Alegre: Artmed.

Burnette, C. (2005a). IDESiGN_Design Thinking & Other Disciplines. Recuperado em 31 de julho, 2018, de http://www.idesignthinking.com/01whyteach/02whyteach.html

Burnette, C. (2005b). IDESiGN_Evaluating What is Learned. Recuperado em 31 de julho, 2018, de http://www.idesignthinking.com/06assessment/01assess.html

Burnette, C. (2005c). IDESiGN_Traditional Versus Design Based Teaching. Recuperado em 31 de julho, 2018, de http://www.idesignthinking.com/03teachdt/02teachdt.html

Camargo, G. H. de, Motokane, M. T., & Castro, R. G. de. (2016). A argumentação em uma sequência didática investigativa sobre biodiversidade. In Revista da SBEnBio - Número 9 - 2016 VI Enebio e VIII Erebio Regional 3 (pp. 2244–2255). Belo Horizonte.

Carvalho (org.), A. M. P. de. (2004). Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Thomson Learning.

Carvalho, A. M. P. de. (2013). O Ensino de Ciências e a proposição de sequências didáticas investigativas. In Ensino de Ciências por Investigação: Condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning.

Dresch, A., Lacerda, D. P., & Júnior, J. A. V. A. (2015). Design Science research: método de pesquisa para avanço da ciência e tecnologia. Porto Alegre: Bookman.

Dunne, A., & Raby, F. (2013). Speculative everything: design, fiction, and social dreaming. Cambridge. MA: MIT Press. Cambridge: MIT Press.

FEBRACE. (n.d.). O que é FEBRACE. Recuperado em 20 de janeiro, 2018, de http://febrace.org.br/o-que-e-a-febrace/

FEBRACE, & Intel. (2018). APICE - Aprendizagem Interativa em Ciências. Recuperado em 31 de julho, 2018, de http://apice.febrace.org.br/

Fontoura, A. M. (2002). EdaDe: A educação de crianças e jovens através do Design. (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/82554

Latour, B. (2012). Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. São Paulo: EDUSC.

Martins, B. M. R., & Couto, R. M. de S. (2016). Design como prática educativa: estudos de caso da Aprendizagem Baseada em Design. Blucher Design Proceedings, (May), 5625–5638. https://doi.org/10.5151/despro-ped2016-0534

Miller, W. R. (1988). A definição de design. Tradução de João de Souza Leite. Recuperado de http://feiramoderna.net/ufes/projeto1/MILLER-A-definicao-de-Design.pdf

Moreira, L. C., Souza, G. S. de, & Almassy, R. C. B. (2014). As atividades investigativas e a resolução de problemas no ensino de biologia: Limites e possibilidades. Revista da Associação Brasileira de Ensino de Biologia.

Motokane, M. T. (2015). Sequências Didáticas Investigativas e Argumentação no Ensino de Ecologia. Revista Ensaio, 115–137. https://doi.org/10.1590/1983-2117201517s07

Nelson, D. (2009). How Does Design-Based Learning Work? Recuperado em 31 de julho, 2018, de http://www.cpp.edu/~dnelson/methodology/index.html

Oguz-unver, A. Arabacıoğlu, S. (2014). A comparison of inquiry-based learning (IBL), problem-based learning (PBL) and project-based learning (PJBL). Academia Journal of Educational Research, 2(July), 120–128. https://doi.org/10.15413/ajer.2014.0129

Organização das Nações Unidas. (2017). Plataforma Agenda 2030. Recuperado em 12 de janeiro, 2018, de http://www.agenda2030.org.br/

Ramos, D. C. (2016). O raciocínio abdutivo em atividades de modelagem matemática. Universidade Estadual de Londrina. Recuperado de http://www.uel.br/pos/mecem/arquivos_pdf/Dissertacao_Daiany Cristiny Ramos.pdf

Rodrigues, B. A., & Tarciso, A. (2008). O Ensino de Ciências por Investigação: reconstrução histórica. XI Encontro de Pesquisa Em Ensino de Física, 1–12. Recuperado de http://www.contagem.mg.gov.br/arquivos/comunicacao/femcitec_ensinodeciencia06.pdf

Salvador, D. F., Rolando, L. G. R., Oliveira, D. B. de, & Vasconcellos, R. F. R. R. (2014). Aplicando os princípios da Aprendizagem Baseada em Problemas como modelo instrucional no contexto de uma feira de ciências. Revista Electrónica de Enseñanza de Las Ciencias, 13(3), 292–317. Recuperado de http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen13/REEC_13_3_3_ex839.pdf

Sasseron, L. H. (2013). Interações discursivas e investigação em sala de aula: o papel do professor. In Ensino de Ciências por Investigação: Condições para implementação em sala de aula. Cengage Learning.

Sasseron, L. H., & Carvalho, A. M. P. de. (2011). Alfabetização científica: uma revisão bibliográfica. Investigações Em Ensino de Ciências, 16(1), 59–77. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/246/172

Scarpa, D. L., & Silva, M. B. (2013). A Biologia e o ensino de Ciências por investigação: dificuldades e possibilidades. In Ensino de Ciências por Investigação: Condições para implementação em sala de aulas. São Paulo: Cengage Learning.

Simon, H. A. (1996). The sciences of the artificial. 3rd ed. Cambridge: MIT Press.

Solino, A. P., & Gehlen, S. T. (2014). Abordagem Temática Freireana e o Ensino de Ciências por Investigação: Possíveis relações epistemológicas e pedagógicas. Investigações Em Ensino de Ciências, 19(1), 141–162. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/100/71

Trivelato, S. L. F., & Tonidandel, S. M. R. (2015). Ensino por Investigação: eixos organizadores para sequências de ensino de biologia. Ensaio: Pesquisa em educação em Ciências (Belo Horizonte), 17(spe), 97–114. https://doi.org/10.1590/1983-2117201517s06

Vianna, M., Vianna, Y., Adler, I. K., Lucena, B., & Russo, B. (2012). Design thinking: inovação em negócios. Rio de Janeiro: MJV press.

Vygotsky, L. S. (2008). Pensamento e Linguagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes.

Zômpero, A. F., & Laburú, C. E. (2011). Atividades investigativas no ensino de ciências: aspectos históricos e diferentes abordagens. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 13(3), 67–80. http://dx.doi.org/10.1590/1983-21172011130305




DOI: https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2018183851

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Gabriel da Silva Bruno

Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências (RBPEC) - e-ISSN: 1984-2686

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

Licença Creative Commons