Reflexões sobre a saúde docente no contexto de mercantilização do ensino superior

Daniel Alberto Santos e Santos, Caroline Almeida de Azevedo, Tânia Maria de Araújo, Jorgana Fernanda de Souza Soares

Resumo


As modificações sociopolíticas e econômicas intensificadas a partir da década de 1990 produziram diversas mudanças no âmbito do trabalho docente. O modelo de organização passou a exigir maior produtividade e qualificação profissional cada vez mais especializada, com base na acentuação do trabalho, provocando, assim, o surgimento de novas atribuições, as quais vêm repercutido negativamente na saúde desses profissionais. Nesse cenário, os docentes passam a conviver com um ambiente precarizado, regido pela lógica empresarial, levando a situações de sobrecarga, de estresse e de competição, além de fragilizar as relações interpessoais e dificultar o uso adequado do tempo livre, aspectos esses que comprometem a qualidade de vida dos docentes. Nesse contexto, e entendendo que a forma como as condições de trabalho são estruturadas desempenha papel crucial no processo saúde-doença ocupacional, o presente ensaio teórico tem como finalidade problematizar o processo de mercantilização nas universidades brasileiras e os efeitos desse processo na saúde docente.


Palavras-chave


Saúde. Docente. Ensino superior. Mercantilização.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDES, S. N. As novas faces da reforma universitária do governo Lula e os impactos do PDE sobre a educação superior. Cadernos ANDES, Brasília: ANDES, n. 25, p. 1-41,

ago. 2007.

ALVES, G. Dimensões da reestruturação produtiva: ensaios de sociologia do trabalho. 2. ed. Londrina: Praxis; Bauru: Canal 6, 2007.

ARAÚJO, T. M.; CARVALHO, F. M. Condições de trabalho docente e saúde na Bahia: estudos epidemiológicos. Educação & Sociedade, 2009, v. 30, p. 427-449, 2009.

ARAÚJO, T. M. et al. Mal-estar docente: avaliação de condições de trabalho e saúde em uma instituição de ensino superior. Rev. baiana saúde pública, v. 29, n. 1, p. 6-21, 2005.

ARAÚJO, T. M.; GRAÇA, C. C.; ARAÚJO, E. Occupational stress and health: contributions of the Demand-Control Model. Ciência & Saúde Coletiva, v. 8, n. 4, p. 991-1.003, 2003.

ASSUNÇÃO, A. Á.; OLIVEIRA, D. A. Intensificação do trabalho e saúde dos professores. Educação & Sociedade, v. 30, n. 107, p. 349-372, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Análise sobre a expansão das universidades federais 2003 a 2012. Relatório da Comissão Constituída pela Portaria nº 126/2012. Brasília, 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2016.

BORSOI, I. C. F. Trabalho e produtivismo: saúde e modo de vida de docentes de instituições públicas de ensino superior. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 15, n. 1, p. 81-100, 2012.

BOSI, A. de P. The precarization of the teaching work in higher education institutions in Brazil over the last 25 years. Educação & Sociedade, v. 28, n. 101, p. 1.503-1.523, 2007.

CAIAFA, J. Nosso século XXI: notas sobre arte, técnica e poderes. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

CAMPOS, M. B. L.; LOPES, R. H. B.; FREITAS, C. M. S. O professor universitário: um estudo sobre atividade acadêmica e tempo livre. Rev. Universidade e Sociedade, v. 14, n. 34, p. 67-74, 2004.

CARLOTTO, M. S.; CÂMARA, S. G. Predictors of Burnout Syndrome in teachers. Psicologia Escolar e Educacional, v. 11, n. 1, p. 101-110, 2007.

CHAUÍ, M. DE S. Escritos sobre a universidade. São Paulo, SP: Editora UNESP, 2001.

CODO, W. (Org.). Educação: carinho e trabalho. Petrópolis, RJ: Vozes; Brasília: Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação: UnB, Psicologia Trabalho,

COUTINHO, M. C.; MAGRO, M. L. P. D.; BUDDE, C. Entre o prazer e o sofrimento: um estudo sobre os sentidos do trabalho para professores universitários. Revista Psicologia - Teoria e Prática, v. 13, n. 2, 2011. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2016.

DRUCK, G.; FRANCO, T. O trabalho e precarização social – Trabalho, precarização e resistências: novos e velhos desafios. Caderno CRH, v. 24, número especial, p. 9-13,

FREITAS, C. R.; CRUZ, R. M. A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. In: XXVIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 2008. Anais.. Rio de Janeiro: ABEPRO, 2008.

JUNHO, Y. E. B. DE P. O tempo nosso de cada dia roubado. EBR – Empresa Brasil de Revistas Ltda, São Paulo, SP, 2015.

LAGO, R. R. et al. Perception of the teaching profession at a university in northern Brazil. Trabalho, Educação e Saúde, v. 13, n. 2, p. 429-450, 2015.

LEMOS, D. Teaching jobs in federal universities: tensions and contradictions. Caderno CRH, v. 24, número especial, p. 105-120, 2011.

LIM, M. de F. E. M.; LIMA-FILHO, D. de O. Condições de trabalho e saúde do/a professor/a universitário/a. Ciências & Cognição, v. 14, n. 3, p. 62-82, 2009.

LOPES, M. C. R. “Universidade produtiva” e trabalho docente flexibilizado. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 6, n. 1, p. 35-48, 2006.

LUXEMBURG, R. The accumulation of capital. London and New York: Routledge, 2003.

MANCEBO, D. Professor’s work: subjectivity, “superimplication” and pleasure. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 20, n. 1, p. 74-80, 2007.

MANCEBO, D.; LOPES, M. C. R. Trabalho docente: Compressão temporal, flexibilidade e prazer? Rev. de Educação Pública, v. 13, n. 24, p. 138-152, 2004.

MANCEBO, D.; MAUÉS, O.; CHAVES, V. L. J. Crise e reforma do Estado e da Universidade Brasileira: implicações para o trabalho docente. Rev. Educar, n. 28, p. 37-53, 2006.

MASCARENHAS, M. S. Transtornos mentais comuns entre docentes do departamento de saúde da Universidade Estadual de Feira de Santana. 2010. Monografia (Graduação em Enfermagem) – Departamento de Saúde, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, Bahia, 2010.

NECKEL, F.; FERRETO, L. E. Avaliação do ambiente de trabalho dos docentes da Unioeste campus de Francisco Beltrão. Revista Faz Ciência, v. 8, n. 1, p. 183-204, 2006.

OLIVEIRA, D. A. Restructuring the teaching profession: precarization and flexibilization. Educação & Sociedade, v. 25, n. 89, p. 1.127-1.144, 2004.

PINA, J. A. et al. Work intensification and workers’ health: a theoretical approach. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 39, n. 130, p. 150-160, 2014.

PIRES, V. Ensino superior e neoliberalismo no Brasil: um difícil combate. Educação & Sociedade, v. 25, n. 86, p. 263-268, abr. 2004.

SILVANY-NETO, A. M. et al. Condições de trabalho e saúde dos professores da rede particular de ensino de Salvador. Rev. Baiana de Saúde Pública, n. 56, p. 20-31, 2000.

SILVA, S. P. da. O aprofundamento da reforma do estado e o redirecionamento do ensino superior. Rev. Universidade e Sociedade, n. 56, p. 20-31, 2015.

WERNICK, R. Condições de saúde e trabalho dos docentes da Universidade Federal da Bahia, Salvador-BA. 2000. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Daniel Alberto Santos e Santos, Caroline Almeida de Azevedo, Tânia Maria de Araújo, Jorgana Fernanda de Souza Soares