Uma abordagem retórico-comparativa da bucólica II de Virgílio e da bucólica III de Calpúrnio Sículo

Luana Santana Lins Cerqueira

Resumo


Neste artigo, depois de introduzirmos questões gerais em nexo com os traços principais e a presença da poesia bucólica em Roma, passamos a investigar alguns aspectos retóricos da segunda bucólica de Virgílio e da terceira écloga de Calpúrnio Sículo. Sobretudo interessados em analisar retoricamente esses dois poemas e considerando o aspecto da “invenção” (inuentio), destacamos como os dois autores recorreram a argumentos de natureza patética, ética e lógica com o objetivo de gerar a persuasão sentimental em um e outro caso mencionado. Desse modo, sempre recorrendo a exemplos extraídos dos textos em questão, tentamos descrever, aqui, em quais pontos argumentativos as ideias e sentimentos expressos por Virgílio e Calpúrnio, nesses poemas, coincidem ou mostram-se mutuamente diferentes.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.17851/2317-4242.9.0.140-157

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revele: Revista Virtual dos Estudantes de Letras
ISSN 2317-4242 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.